Fone: 15. 99105-1807 Rua Júlio Hanser, 140
Lageado – Sorocaba-SP

Notícias

Tamanho da FonteDiminuir FonteAumentar Fonte

SP REGISTRA RECORDE DE MEDIDA PROTETIVA, ORDEM JUDICIAL QUE AFASTA AGRESSOR

Mulheres são protegidas por decisão de afastar agressor, mas lei ainda tem falhas na aplicação
Quinta-feira, 16 de Setembro de 2021

Casos de mulheres agredidas por companheiros são uma epidemia no Brasil. Segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, o país registra em média um boletim de ocorrência por violência doméstica a cada dois minutos. Ao mesmo tempo que esse número segue alto, as vítimas se mostram cada vez mais conscientes de seus direitos.

No maior estado do Brasil, São Paulo, o salto no número de medidas protetivas - decisão que proíbe o agressor de se aproximar da vítima - desde a criação da Lei Maria da Penha, em 2006, é notório. Os processos em que havia pedido das medidas foram de 28, há 16 anos, para 73 mil em 2020. O primeiro semestre de 2021 mostra que um novo recorde poderá ser batido: até junho, foram 41 mil processos e 32 mil concessões, um aumento de 20% em relação ao mesmo período do ano passado para os dois casos.

Os dados foram levantados pelo Tribunal de Justiça de São Paulo a pedido de Universa.

"Embora ainda haja uma distância entre a lei e sua aplicação na prática, pode se dizer que as mulheres estão mais cientes dos benefícios que as medidas protetivas podem lhes trazer", afirma Fabiana Dal'Mas, promotora de Justiça de enfrentamento à violência doméstica do do Ministério Público de São Paulo (MP-SP).

"Medida protetiva é mais uma prova para condenar o agressor"
As medidas protetivas fazem parte da Lei Maria da Penha e desde 2018 é prevista a possibilidade de prisão preventiva do agressor caso descumpra a regra. Isso não significa, porém, que toda violação da protetiva acarretará em prisão.

Acesse a matéria completa no site de origem

Fonte:  Agência Patrícia Galvão
Voltar