Fone: 15. 3234-1788 Rua Manoel José da Fonseca, 387
Centro – Sorocaba-SP

Notícias

Tamanho da FonteDiminuir FonteAumentar Fonte

‘A gente vai resistir’, diz novo campeão da igualdade da ONU

Em entrevista à campanha da ONU Brasil Livres & Iguais, o cantor e compositor recifense Johnny Hooker fala da importância da arte para a transformação da sociedade e para o respeito aos direitos da população LGBTI no Brasil.
Quarta-feira, 06 de Junho de 2018
‘A gente vai resistir’, diz novo campeão da igualdade da ONU
‘A gente vai resistir’, diz novo campeão da igualdade da ONU
Ampliar
‘A gente vai resistir’, diz novo campeão da igualdade da ONU
‘A gente vai resistir’, diz novo campeão da igualdade da ONU

"No que concerne à natureza humana e aos sentimentos humanos, nós somos todos iguais. A arte tem esse poder de comunicar e fica muito mais fácil para as pessoas que são de fora da comunidade LGBTI se identificarem, verem que somos pessoas, que não existe uma parede dividindo a gente", disse. Leia a entrevista completa.

No Dia Internacional de Luta contra a Lesbofobia, Homofobia, Bifobia, Transfobia e Intersexofobia, lembrado anualmente em 17 de maio, o cantor e compositor recifense Johnny Hooker recebeu o título de campeão da igualdade da Livres & Iguais, a campanha da ONU pela igualdade de direitos da população LGBTI.

Na sede das Nações Unidas no país, em Brasília, Johnny conversou com a Livres & Iguais sobre sua história pessoal, sobre direitos humanos e expectativas para seu trabalho como campeão da igualdade.

Livres & Iguais: Como foi para você a descoberta de que fazia parte da população LGBTI?

Johnny Hooker: Descobri bem cedo. Com 5 ou 6 anos eu já tinha uma noção de que era diferente, de que não me encaixava no mundo que passa na TV, no mundo da maioria. A descoberta e o empoderamento em relação a ser uma pessoa gay veio na fase da adolescência e da vida adulta. Eu tive muita sorte de ter sido criado em um ambiente artístico e libertário, tive pais artistas. Enquanto eu era criança, convivi com as diferenças e com a diversidade dentro da minha casa. Então, eu sabia que não era o povo da TV, mas sabia que eu tinha um lugar e que existia um lugar para a gente no mundo, que estávamos em todos os lugares.

Livres & Iguais: Para a sua arte e para você como artista, qual é a importância de ser LGBTI e de não desempenhar papéis de gênero tradicionais?

Hooker: Ser LGBTI e ser nordestino são duas coisas indissociáveis no meu trabalho, não dá para separar. Isso faz parte da minha identidade de uma maneira muito profunda, e é claro que isso se reflete na minha arte, no meu trabalho e na minha vida.

No momento em que estamos vivendo, um momento de retrocessos, um pouco obscuro, de fundamentalismo e de muito discurso de ódio, é muito importante que a questão do gênero e da identidade de gênero esteja sendo promovida, pela mídia, por organizações como a ONU, por artistas. Agora, a gente se depara com uma geração inteira de artistas LGBT no Brasil, da nova música brasileira. É fundamental que essa conversa seja posta na mesa e que mais artistas falem sobre isso e que o tema ganhe também respaldo nas políticas públicas.

Livres & Iguais: Por que a visibilidade de pessoas LGBTI nos mais variados espaços da sociedade, inclusive como artistas, é importante?

Hooker: A arte tem um papel fundamental de transformação e de injeção de consciência política e dos direitos humanos das pessoas. Ela tem a qualidade da universalidade, de ser universal. Quando um artista gay ou uma artista trans fala sobre o amor e o afeto, qualquer um pode se conectar à humanidade desse amor e desse afeto. Isso gera uma equidade, de humanidade mesmo.

No que concerne à natureza humana e aos sentimentos humanos, nós somos todos iguais. A arte tem esse poder de comunicar e fica muito mais fácil para as pessoas que são de fora da comunidade LGBTI se identificarem, verem que somos pessoas, que não existe uma parede dividindo a gente. Nós estamos em todos os lugares. Nós temos famílias, pais, avós. Somos seus vizinhos, seus irmãos. A arte ajuda a explicar isso às pessoas de uma maneira muito emocional e muito direta.

Livres & Iguais: Você acha que a violência e a discriminação contra pessoas LGBTI é uma questão de direitos humanos?

Hooker: Claro, é uma questão direta de direitos humanos. Principalmente no país que mais mata pessoas LGBTI no mundo, e as estatísticas só pioram a cada ano, é urgente que os direitos humanos sejam observados e que seja tomada uma medida a nível governamental. Vivemos um cenário de terror em relação à população LGBTI, não há políticas públicas sobre isso, nem a homofobia é criminalizada. A gente precisa avançar muito nessas questões. Os direitos humanos no Brasil precisam se fortalecer, (precisamos nos) unir em torno dessa causa.

Livres & Iguais: Que mensagem você gostaria de passar para as pessoas sendo agora campeão da igualdade da Livres & Iguais?

Hooker: É uma grande responsabilidade e uma grande alegria ser um dos campeões da igualdade da ONU Brasil. Eu fico muito honrado. É a história da minha vida, dos meus amigos, da minha geração de profissionais e de músicos. É a história que a gente constrói todo dia, fazendo esses shows e essas músicas. É a história da minha mãe, que lutou contra a homofobia. É a história de todos que vieram antes.

A mensagem é a de que a luta contra a LGBTI fobia é todo dia, não acaba. Se eu puder transformar e continuar a transformar as pessoas por meio da minha arte, vou fazer isso para o resto da minha vida.

Livres & Iguais: Que mensagem você gostaria de passar para as pessoas LGBTI?

Hooker: A mensagem que eu quero passar para as pessoas LGBTI no Brasil hoje é a de que, apesar dessa noite que a gente enfrenta, apesar desse momento obscuro que a gente atravessa, existe esperança, existe irmandade, existe acolhimento. Espero estar sempre aqui para acolher e celebrar as diferenças que nos unem, através da arte e da música. A gente vai resistir. Eles não vão vencer.

Imagem

Fonte:  ONU Brasil

Comentários

Voltar